Bem vindo(a)!
Crônicas

Antigos estranhos

Ontem estava desperdiçando tempo no Facebook quando recebo uma notificação me convidando para curtir uma página de textos autorais. Logo de cara havia uma crônica que falava sobre o tempo, então li, gostei e vi que é de autoria de uma mulher que conheço. Nós frequentamos alguns lugares em comum, temos amigas em comum, temos ideologias parecidas, mas nunca havíamos entrado em uma conversa de verdade, nunca passamos da linha dos bons modos e cumprimentos e eu então por um impulso passei dessa linha e enviei uma mensagem: “Adorei tua crônica naquela página do Facebook” e então começamos a conversar. Falamos de crônicas, poemas e vida. Trocamos crônicas, poemas e vida. E foi ótimo.

Comecei a pensar o quanto o cotidiano muitas vezes nos impede de conhecer gente nova e de buscar novas experiências. O tempo, do qual ela falava em sua crônica, sempre parece pouco pra o tudo que já temos e nos limitamos a ficar no mundo que já conhecemos, porque é mais seguro. Já temos atividades programadas para o dia todo.

Ao mesmo tempo que nos fechamos pra essas novas experiências precisamos reconhecer que tudo que conhecemos um dia nos foi algo estranho. Você nem sempre conheceu a faculdade. Você nem sempre esteve nesse emprego. Sua melhor amiga nem sempre foi sua melhor amiga. Você conheceu seu namorado ano passado. Você nem tinha essas ideias uns anos atrás. Você nem mesmo morava na mesma casa. Tudo foi estranho em algum momento.

Nossa vida é feita de antigos estranhos.

Quando nos abrimos, mesmo que seja um pouquinho, pra qualquer coisa (ou pessoa) que ainda não conhecemos, nós abrimos espaço pra um futuro-antigo-estranho que pode vir a ser um presente em breve. Tenho buscado fazer essa experiência há algum tempo e tem me proporcionado muitas surpresas boas, eu recomendo.

Você pode começar indo ao cinema sozinha, indo a um show de algum artista local que você não conhece, fazer algum curso que você nunca pensou em fazer, sentar na praça ou simplesmente dar um sorriso pra quem senta do seu lado no ônibus. Olhe para os lados e descubra o quanto a vida pode te surpreender.

Você pode ser o antigo estranho na vida dos outros também.

 

Por Aline Nobre